17 de maio de 2024

Relato de parto

Dia 18 de abril, eu fui ao obstetra na consulta de 38 semanas, e ele disse que estava tudo bem com a Cecília. Explicou que eu poderia sentir contrações que seriam alarme falso e que era para ver o intervalo entre elas, porque poderia acontecer de ir correndo para o hospital nas primeiras contrações e depois elas pararem antes mesmo de chegar ao hospital. E por isso, era bom esperar o intervalo de 5 minutos entre elas. Mas como eu queria fazer cesárea desde sempre, agendamos o parto para dia 25 de abril, quando completaria 39 semanas. 

Mas nem tudo podemos programar...

Dia 19 de abril, as 1:45h eu senti uma cólica parecida com cólica menstrual. Mesmo sendo um tempo depois de ter deitado, parecia que nem tinha dormido ainda. E pelo que meu obstetra havia me falado, aquela cólica seria uma contração.

Bom, o intervalo entre a primeira e a segunda contração foi de uns 20 minutos, e permaneceu assim até umas 3h. Depois diminuiu para 15 minutos, e depois 10 minutos de intervalo. Foi aí que fui terminar de organizar as malas para levar para a maternidade. Quando foi perto das 5h, diminuiu para 5 minutos entre uma contração e outra. Mandei mensagem para o obstetra para avisar sobre as contrações.

Ainda assim eu não tava acreditando que estava chegando a hora. Não liguei para meus pais ainda, pois achei que eles poderiam assustar em receber uma ligação tão cedo e as contrações estavam leves, então eu sentia que ia demorar um pouco. Tomei banho, pegamos as coisas e fomos para a maternidade as 05:45h. Sei que foi esse horário pois foi  a hora que mandei mensagem para o fotógrafo pra avisar pra ele ficar preparado. 

Chegamos lá na maternidade, ligamos para o obstetra e fomos para uma sala improvisada para aguardar, porque o hospital estava bem cheio. Mas eu estava deitada e confortável.

As contrações ainda apareciam de 5 em 5 minutos, e estava suportável. 

O obstetra chegou, me examinou e confirmou que a Cecília ia chegar seis dias antes do esperado. Foi uma mistura de sentimentos de medo e ansiedade. Aquilo estava acontecendo mesmo.

Mas ela não estava encaixada, por isso demoraria algumas horas até ela nascer, então como eu já tinha na mente que queria cesárea, disse que não queria esperar. Com isso, foram preparar a sala de cirurgia, enquanto ainda aguardávamos.

Troquei de roupa e quando cheguei na sala de cirurgia, o anestesista era meu vizinho de frente. Fiquei muito aliviada por ter mais uma pessoa conhecida durante aquele momento.

Era troca de plantão, aí tivemos que esperar o pediatra chegar. Mais um momento de espera e ansiedade. Colocaram um acesso para o soro no meu braço esquerdo e depois foi a hora da anestesia na coluna. Eu morro de medo de agulha e nessa hora foi comprovado o medo, pois as minhas pernas tremiam de nervoso.

Assim que a anestesia começou a fazer efeito eu senti minhas pernas formigarem e não conseguir mexê-las foi uma sensação bem estranha. 

Meu marido chegou na sala e ficou ao meu lado. Eu não estava conseguindo digerir o turbilhão de emoções de sentia, mas o medo era o maior deles. E naquela hora eu lembrei uma frase que a caixa de um supermercado disse para mim umas semanas antes: "eu estou relutando para dizer isso, mas Deus diz pra você aquietar seu coração, pois Ele já tem tudo preparado"

O anestesista disse para eu falar com ele caso sintisse enjoo ou dor. Quando disseram que ia começar, eu sentia que estavam mexendo na minha barriga, mas nada de dor. Passado alguns minutos, eu senti uma vontade bem grande de vomitar, falei para o anestesista, ele aplicou alguma coisa no soro e logo passou.

Foi então que escutei um choro. E só conseguia pensar "é minha filha mesmo!". Mas achei que demorou uma eternidade até levarem ela para perto de mim.

Eles abaixaram o pano que tava tampando pra eu não ver a cirurgia, e foi aí que vi a Cecília pela primeira vez. Ela era perfeita e eu só queria ficar olhando para aquele rostinho redondinho.

Meu marido foi acompanhar ela até o berçário, subiram o tecido e foram finalizar a cirurgia. Da mesma forma de antes, eu sentia que estavam mexendo na minha barriga e não conseguir mexer as pernas foi uma sensação bem estranha.

Depois de finalizado, me levaram para uma sala de recuperação. Um tempo depois, uma enfermeira levou a Cecília para mamar pela primeira vez e aquele momento ficará registrado na minha mente como uma forma de felicidade inexplicável.

Às 7:40h do dia 19 de abril chegou o meu presente, com 1,560kg e 46 cm, que mudaria a minha vida por completo. 

A primeira neta dos meus pais, quinta neta da minha sogra, quinta bisneta da minha avó paterna e décima nona bisneta da minha avó materna.

7 de maio de 2024

What's in my bag

Eu vi esse post no blog da Valéria e lembrei que já havia feito esse registro em 2016 e 2018. Seis anos depois, muita coisa mudou na minha rotina e eu levo uma bolsa menor e com menos itens.

Obs.: Essa foi a última foto que tirei grávida da Cecília.

Essa bolsa de crochê foi uma das primeiras bolsas que minha mãe fez. Depois dela, tenho mais três, mas essa é a minha preferida, mesmo sendo a menos bonita.
Eu levo sempre comigo meu celular (que foi utilizado para tirar essa foto), o protetor solar (que sempre esqueço de reaplicar como deveria), minha carteira que comprei em SP, fone de ouvido que está quase sempre sem bateria, uma caneta e o kindle (esse é indispensável).
Essa capinha do kindle está lamentável, preciso comprar outra urgentemente.

9 de abril de 2024

Finalizando os preparativos

Final de fevereiro chamamos o fotógrafo que tirou fotos no nosso casamento, há 10 anos, para tirar nossas fotos. Eu tava com umas 30 semanas. Vou deixar aqui no post algumas que achei mais bonitas.

E a minha preferida, foi essa com a família toda reunida.

Dia 26 de março organizamos um chá de fraudas para reunirmos as nossas famílias, incluindo tios e primos. 

A prima do meu marido nos deu de presente a decoração. Amei tudo, inclusive essa combinação de balões.
Começando pela parte mais importante, os doces: Fiz uma torta de maracujá e coloquei nos potinhos, minha mãe fez suspiros e arrumou em umas caixinhas e nós fizemos alguns brigadeiros para enfeitar a mesa. E o bolo foi encomendado, pois zero habilidades manuais pra deixar ele bonito. Minha sogra e o Helio fizeram galinhada, tutu e vinagrete. Tudo bem simples, mas foi muito bom para reunirmos tanta gente querida.
 
Falando em comida...
Fui em uma cafeteria com minha mãe e pedimos uma torta de limão que estava linda, mas foi decepcionante. Dá uma raiva gastar dinheiro com comida ruim.
E um registro de um dia de desejo de comer uma Nhá Benta da Kopenhagen e aproveitei que estava calor demais e tomei uma soda italiana que estava muito boa. Caro, mas recomendo.
Organização é uma luta... 
Aproveitei o feriado para lavar e organizar as roupas da Cecília. Também já separei algumas coisas que quero levar para a maternidade. Mandei as fotos para o grupo em que estão meus pais e minha irmã e essa foi a resposta do meu pai. Sinais de que organização pra mim é um desafio mesmo.
E na outra semana, a minha irmã fez uns desenhos lindos para o quartinho da Cecília. Ficou tão fofo que não consigo parar de olhar! Eu queria algo diferente, mais infantil e com animais.
Sério! Quem tem irmã artista tem tudo!
Mesmo eu estando com 36 semanas, o quartinho dela ainda não está 100% pronto, mas espero conseguir finalizar tudo até semana que vem. 

4 de março de 2024

Fevereiro

Eu estou uma blogueira muito pouco dedicada, por isso esse post vai ser curtinho.

Dia 20 foi meu aniversário e foi mais um dia comum, tirando o fato de ter saído com meu marido para comermos um peixe empanado com batatas fritas em plena terça-feira. 

Antes eu criava mil expectativas para meu aniversário, animava fazer um bolo com receita diferente e ano passado eu até animei encher uns 200 balões e organizar uma mini festa. Ainda é um dia que eu amo, mas acho que cansei de colocar energia demais em um dia só. 
E pra não falar que não teve bolo, teve esse brownie com sorvete no restaurante.
Ah.. dia 08 comemoramos 10 anos de casados pedindo um risoto em casa, porque deu preguiça de sair e a fome era tanta que nem lembramos de tirar foto.

Lendo: Comecei um livro da Julia Quinn e estou gostando muito, a escrita dela é muito leve. Em breve terá resenha.

Assistindo: Eu gosto de ouvir o podcast "Modus Operandi", que fala sobre true crime. Aí lá fui eu assistir a série "Dahmer: o canibal americano" e odiei o primeiro episódio. Assisti ao filme "Todo dia a mesma noite", baseado no incêndio da boate Kiss, e achei super triste, chorei do início ao fim. Conclusão: preciso encontrar novos gêneros para assistir.

Organizando: Dia de limpar a estante de livros é aquele misto entre prazer e arrependimento. Eu gosto de organizar a estante e dedicar um tempo a cuidar dos livros, mas quando estou na metade bate aquela preguiça de continuar. 
E pra finalizar, uma foto da Miley de banho tomado. Mas acho que ela deu alergia do shampoo e no outro dia estava com um pedaço do rabo sem pelos, mas isso a gente não mostra né!

7 de fevereiro de 2024

Janeiro em algumas fotos

 Eu disse no post passado que não iria fazer metas para 2024, mas me comprometi comigo mesma  a registrar mais sobre as pequenas coisas do meu dia a dia. Vamos ver até quando vai durar. E consequentemente, espero ter mais conteúdo para postar aqui.

 No primeiro jantar do ano, resolvi deixar a mesa bem bonitinha e, depois que acabamos de comer, bateu um leve arrependimento pois tinha muita coisa pra lavar. 

 Janeiro sempre é um mês em que queremos começar coisas novas, e aí surge a vontade de comer comidas mais saudáveis e menos industrializados. Eu tinha um resto de coxa de frango e três batatas doce na geladeira que estava quase fazendo aniversário. Aí fui procurar uma receita de algum bolinho e achei essa aqui, muito simples, com pouquíssimos ingredientes. E acabei fazendo nas forminhas, pois achei mais prático e até que ficou bom, não julguem a aparência. Não tinha requeijão e coloquei muçarela no lugar.  

 A prima do meu marido nos chamou para jantarmos na casa dela, em plena segunda-feira, serviu um peixe maravilhoso e começamos a jogar War as 11 horas da noite. Me senti muito jovem, porque esse jogo é quase infinito.

 Meu marido ganhou um vale em um restaurante chique e se um dia eu falei mal de risoto, não lembro. Melhor risoto de cogumelos que já comi na vida. Helio pediu um de alho-poró.

 Um date que tivemos em uma sexta. Sushi, por que tão caro?

 Gosto de fazer carbonara com o Helio porque é algo que sempre fazemos juntos, cada um faz uma etapa e fica cada vez melhor.

 Minha irmã casou. E tudo ficou tão lindo, tão a cara dela, que não poderia ter sido melhor!

 E fui "convocada" pra tocar flauta. Minha irmã queria que eu tocasse na entrada dela, mas eu jamais conseguiria, não conseguiria tocar uma nota afinada. Aí toquei durante as fotos "Can't you feel the love tonight" e "Caçador de Mim", juntamente com o tecladista. Foi minha segunda apresentação, morri de vergonha, mas foi legal.
Depois teve um café da tarde, somente para os padrinhos, com direito a muitos bolos para todos os gostos. 
E para finalizar o post um registro muito fofo desse casal!