5 de julho de 2021

Aleatoriedades juninas

Sigo revezando os dias de semana entre trabalhar em casa e ir para o escritório, e quando estou em casa, cada dia trabalho em um local diferente, acho que nunca vou acostumar com home office. 
Bom, estou fazendo alguns cursos online gratuitos para não me sentir tão improdutiva por ter poucos trabalhos esses dias. 
Comprei algumas blusas e uma botinha pra ir trabalhar porque meu marido disse que não "devo sair do mesmo jeito que fico em casa", aí eu olhei no espelho e concordei, meu Deus! nem arrumava o cabelo, quem era essa pessoa?

Assistindo: Sempre ouvi muita gente comentando sobre a série Grey's Anatomy,  mas a grande quantidade de temporadas me desanimava de começar. Até que um dia, cansada de assistir as séries de sempre, resolvi começar, e aqui estou, na oitava temporada, amando a série, realmente viciada e pensando "como foi que não assisti antes?" e "por que matar tanto médico Shonda Rhimes?". Agora tô triste pensando que já estou na metade, não quero que acabe.
Também assisti Sweet Tooth e que série legal! O protagonista é uma fofura, tem muita aventura e acredito que muita coisa foi inspirada na realidade que estamos vivendo hoje, por exemplo, um vírus que muda a rotina da sociedade e muitas pessoas deixam de ter compaixão e pensam apenas nelas mesmas. E também me fez refletir no fato de que a a ciência é algo muito bom, mas pode ser utilizada para coisas ruins também. Mas não gosto quando a temporada termina parecendo que faltou algo.
Cozinhando: Aprendi a fazer esfirras abertas e tem sido uma ótima opção para fazer uma quantidade grande, pré-assar e congelar pra fazer em dias que bate aquela preguiça de cozinhar. Já testei duas receitas diferentes, mas essa aqui é que mais deu certo. E o legal é que a massa é vegana.
Lendo: Sigo abandonando livros, não sei se é o desânimo que tá acumulando e me impedindo de continuar as leituras ou se minhas escolhas não estão tão boas para o momento. Comecei "Precisamos falar sobre Kevin" e abandonei por achar chato demais. Comecei "Vozes de Tchernóbil - A história oral do desastre nuclear" e no início tava indo bem, até achar cansativo. Preciso de livros leves e pequenos para me dar alguma alegria em ler.

Celebrando: É o segundo dia dos namorados que passamos em casa e acho que mesmo depois dessa pandemia iremos continuar assim, ninguém aguenta restaurantes cheios, caros e a gente acaba sendo mal atendidos. Bom, fizemos algo diferente para aproveitar um sábado tranquilo pra nós dois.
Decorando: Depois que comecei a bordar, fiquei empenhada em fazer forrinhos e panos de prato aqui pra casa, e pesquisando gráficos, encontrei um quadrinho com três chow chows bordados e não resisti, tive que bordar meus filhos peludos  pra enfeitar a parede. Fala que a Miley e o Ted não ficaram a coisa mais fofa desse mundo? 
Ouvindo: Descobri uma paixão em ouvir podcasts nos momentos que tenho que fazer as tarefas de casa, como lavar a louça, ou  limpar a casa. Meus preferidos: Não inviabilize - histórias reais narradas pela Deia Freitas, de um jeito bem descontraído, podendo ser histórias de amor e afeto, histórias do cotidiano, trapaças, e coisas revoltantes, ou histórias te terror. Modus Operandi - true crimes narrados de uma maneira bem descritiva.

P.S.: Acho que esse post não ficou tão bem escrito, deve ter até algum erro de concordância que não percebi, mas vamos focar apenas nos registros do mês... 

31 de maio de 2021

Sopa é janta sim!

O frio está chegando, mas aqui em casa a gente não espera o frio pra fazer sopa não. Nós amamos caldos e todo tipo de sopa, principalmente na janta.
Ta muito quente? Toma sopa depois toma banho.. Hahahaha
 Por isso, vou compartilhar minhas receitas favoritas de sopas e caldos!

1. Creme de abóbora com gengibre
Dois ingredientes que a gente ama, e que se tornam uma combinação maravilhosa em uma receita simples e rápida de ser feita.
Ingredientes:
     - 1/2 abóbora
     - 5 cm de gengibre
     - 1 cebola
     - 3 dentes de alho
     - 1 litro de água
     - sal, azeite e pimenta-do-reino a gosto.

Modo de preparo:
Corte a abóbora em cubos grandes, retire a casca, se preferir. Fatie o gengibre, descasque o alho e a cebola. Corte a cebola em quatro partes.
Coloque tudo em uma panela junto com a água. Leve ao fogo médio, tampe a panela e deixe cozinhar por aproximadamente 40 minutos, vai adicionando um pouco mais de água ao longo desse tempo, assim que ela estiver secando.
Transfira o cozido para o liquidificador, tempere com sal e pimenta-do-reino a gosto.
Volte o creme para a panela e verifique o sabor. Regue com um fio de azeite e sirva a seguir.

2. Sopa de batata, couve e espinafre
Ingredientes:
     - 6 batatas médias
     - 1 cebola pequena
     - 2 folhas de couve
     - 1 maço de espinafre
     - 2 dentes de alho
     - sal, salsa e pimenta-do-reino a gosto

Modo de preparo:
Corte as batatas e a cebola grosseiramente, e coloque em uma panela com água para cozinhar. Transfira para o liquidificador com 2 folhas de couve e um punhado de espinafre. 
Em uma panela, refogue o alho, com sal, pimenta-do-reino e temperos que preferir, acrescente a sopa que estava no liquidificador para esquentar e sirva a seguir. Ah.. acrescente um pouco de linhaça, ou sementes de abóbora para dar uma crocância.

3. Canja 
Sempre sinto um quentinho no coração quando penso em canja de galinha.
Ingredientes:
     - 500g de peito de frango
     - 1 xícara de chá de arroz
     - 1 batata
     - 2 cenouras
     - 1 cebola
     - 2 litros de água
     - 5 cravos da índia
     - azeite, sal, salsinha e pimenta do reino a gosto

Modo de Preparo:
Corte a cebola no meio, descasque e espete os cravos nela. Descasque e corte as cenouras em meia luas de 1 cm. Em uma panela média coloque o peito de frango cortado em cubos, a cenoura e a cebola cravejada. Cubra com a água e leve ao fogo alto. Assim que ferver, abaixe o fogo e deixe cozinhar por mais ou menos 40 minutos. 
Enquanto isso, descasque e corte a batata em cubos de 1 cm.
Com uma escumadeira transfira o peito de frango para um prato e reserve. Retire a cebola e descarte. Tempere o caldo com sal, acrescente o arroz e a batata. Tampe e deixe cozinhar, em fogo baixo, por 20 minutos, mexendo de vez em quando.
Enquanto o arroz cozinha, desfie o peito de frango. Assim que o arroz tiver cozido, misture o peito de frango, salsinha, azeite e pimenta do reino.

Qual sua receita favorita de sopa/caldo?

10 de maio de 2021

Tag: Trilha Sonora

Vi no blog da Gabi uma tag bem legal sobre qual seria a trilha sonora da vida, vou fazer ela aqui também e aumentei um item. As regras estão no final do post, mas eu mesma não as segui.

1. Qual seria a música de abertura da sua vida?

Assim como a abertura de One Tree Hill, I don't want to be, do Gavin DeGraw, seria a melhor escolha por causa do refrão:

"Eu não quero ser outra coisa do que estou tentando ser ultimamente | Tudo o que eu tenho que fazer é pensar em mim, e eu terei paz de espírito | Estou cansado de olhar nos quartos em volta imaginando o que tenho que fazer | Ou quem eu devo ser | Eu não quero ser nada além de mim."

2. Uma música para os momentos de alegria.

Memories, do Coldplay, para uma cena com vários momentos alegres que se passam como boas lembranças, enquanto toca essa música. Deu pra imaginar?

3. Uma música para momentos de família.

Papel de pão, do Jorge Aragão. Um pagodinho, que é a cara dos churrascos na casa dos meus pais.

4. Uma música para momentos de produtividade (estudo, trabalho, fazer planos, etc.)

Saturn, do Sleeping at Last. 

5. Uma música para momentos românticos.

Tive que escolher duas músicas, a primeira é Colours, do Donovan. Lembro que ouvi essa música pela primeira vez em algum episódio da oitava temporada de Once Upon a Time e achei ela muito fofinha e a letra é uma graça! E a segunda é Você pra sempre em mim, do Tiago Iorc.

6. Uma música para momentos dramáticos.

Heartbeats, do José González, uma das minhas músicas favoritas da vida, que também faz parte da trilha sonora de One Tree Hill.

7. Uma música para tocar na viagem de carro.

Aquela cena em que eu estou no banco do passageiro do carro, olhando para a paisagem, pensativa e tocando New Slang, do The Shins.

9. Uma música para aquele momento no qual o personagem principal está completamente sozinho e tendo que lidar com as consequências de suas próprias ações.

Wicked Game, a música original é do Chris Isaak, mas escolhi a versão de Johnnyswim que é um pouco mais dramática.

8. Uma música para momentos de reconciliação.

Whaterfalls, da Jenny O., uma música fofinha pra esse momento.

9. Uma música para o clímax da história.

Algo animado e inusitado, como FU da Miley Cyrus e French Montana.

10. Uma música para os créditos finais.

Fiquei na dúvida entre First day of my life, do Bright Eyes, pra terminar com um "continua..." e Wildersville, da Mandi Mapes, pra terminar com uma lágrima de alegria nos olhos.

Regras:

Regra 1: Pode ser tanto trilha sonora original (músicas que foram compostas especificamente para a obra, frequentemente chamadas de OST) quanto músicas que são cantadas por artistas não relacionados à obra, mas que foram incluídas como trilha sonora (se um filme usa uma música da Taylor Swift, por exemplo, pode usar essa música, mas tem que ser a mesma do filme).

Regra 2: É preciso citar de qual obra a música foi tirada (qual série, filme, jogo etc.)

Regra 3: Você poder responder só o nome das músicas, ou pode providenciar links ou até mesmo incorporar videos do Yputube nas respostas. Amaneira que você responde fica a seu critério.

Regra 4: A ideia das tags é marcar algumas pessoas para respondê-las, não é? Então, lembre-se de marcar alguém! 

Fiquem a vontade para participar!

20 de abril de 2021

30 antes dos 30 - 30 dias sem carne e sem açúcar

A princípio, era para ser apenas uma semana, mas quis aumentar o desafio para um mês sem carne e sem açúcar. Ficar sem pensar em doces é algo muito difícil pra mim, eu penso nisso o tempo todo, principalmente a tarde, que é a hora que bate aquela vontade de comer algo com açúcar, nem que seja uma bala.
Na verdade, eu pensei que seria pior do que foi, primeiramente ficar sem carne é algo totalmente possível e ao longo desse um mês eu consegui aprender a variar os preparos dos legumes e dar lugar a criatividade.
Eu realmente cortei tudo o que vai açúcar: ketchup, extrato de tomate, sucos e iogurtes.
Passei a comer mais frutas, a fazer suco verde logo pela manhã, tomar chá sem açúcar, e aquela dependência de doces foi acabando.
Ah.. até aprendi e fazer meu próprio leite de coco, e foi muito satisfatório, aprendi com a Juliana, do Comida Saudável Para Todos.

Então vou compartilhar algumas opções de receitas com vocês.

Variar o jeito que consumimos os alimentos nos faz abrir um leque de combinações que não nos deixa enjoar deles. E o abacaxi com raspas de limão se tornou meu lanchinho favorito para esquecer um pouco do doce. E o vinagrete de morango é um ótimo acompanhamento para o almoço, a receita é do site Panelinha.


Eu amo milho de todas as formas, mas essa tem sido minha preferida; uso a receita de viradinho de milho verde, da Rita Lobo, e acrescento mais farinha de milho flocada pra virar farofa de milho.
Aprendi uma nova paixão nesse tempo que foi assar legumes. E o ratatouille tem sido uma ótima opção para comer a maior variedade de legumes possível. A receita original é mais simples, mas eu gosto de forrar a assadeira com molho de tomate e colocar berinjela, abobrinha, tomate, pimentão, cebola e cenoura. E as vezes ainda dá para ralar um queijo por cima e deixar dar uma douradinha nele, porque a mineira aqui ama colocar queijo em tudo.
O ceviche de manga é uma receita super simples de ser feita e que é bem refrescante para dias ensolarados. A receita é do site Flamboesa.


A batata rosti  é uma ótima opção para dias de preguiça porque é rápida de ser feita, a recita, pra variar é da Rita Lobo. Outras opções legais são tabule, lentilhas com curry, abobrinha refogada, mandioca frita, couve ou vinagrete.

Espero mesmo que essa mudança vire um hábito.

5 de abril de 2021

30 antes dos 30 - Tirei um projeto do papel

Nessa pandemia eu senti a necessidade de ter uma renda extra, aproveitei que aprendi a fazer macramê e a bordar ponto cruz e resolvi fazer de um hobbie um negócio.

Mas de onde veio essa ideia? Bom, desde que casei, em 2014 fui adquirindo gosto por receber bem os amigos e a família, de deixar a mesa bem bonita para as refeições. E um dia, olhando inspirações aleatórias no pinterest veio a ideia de vender meus pequenos bordados, então, lembrei da minha cunhada que faz sousplats, jogos americanos e guardanapos e logo pensei em fazer parceria. Minha mãe é a responsável pelos crochês.

Agora tenho uma loja pra oferecer aconchego de decorar a casa, que aumenta as possibilidades de receber bem os amigos e que deixa a sua casa do seu jeito. 

E o nome veio na minha mente, do nada. Esse é o Textura.