O low poo (pouco shampoo ou shampoo suave) e o no poo (sem shampoo) são rotinas de cuidados capilares que estão se tornando bem conhecidas. As técnicas foram desenvolvidas por Lorraney Massey, uma inglesa que escreveu o livro "O manual da garota cacheada", que é um guia de cuidados para cabelos cacheados. Mas não é somente quem tem cabelo cacheado que pode seguir as técnicas.

Para você que não sabe sobre o que se trata, vamos às definições:

Low poo: Rotina sem sulfatos e surfactantes pesados em shampoos e sem petroderivados (parafina, petrolato e óleo mineral).

No poo: Rotina sem sulfatos, petroderivados, silicones insolúveis e qualquer tipo de shampoo. 

Sobre os sulfatos: O shampoo com sulfato limpa além do necessário, removendo a sujeira junto com a hidratação, e também a oleosidade e os lipídios naturais, que são responsáveis pela proteção da haste capilar. Resultando no ressecamento dos fios e do couro cabeludo.

Sobre os petrolatos: Os petrolatos são como uma maquiagem e nas composições são inertes, ou seja, é um volume que barateia os produtos de beleza; por serem hidrofóbicos não interagem com a água, formando um filme de proteção que impede a perda de água dos fios e reduz o atrito ao pentear. Por criar esse filme, se faz necessário o uso de sulfato para sua remoção, e o vício de retirar e repor acaba danificando os fios. Shampoos sem sulfato limpam parcialmente os petrolatos, dando uma falsa sensação de brilho e maciez aos fios, e com o tempo ficam opacos, pesados e com resíduos.

Sobre os parabenos: Eles são componentes conservantes utilizados pela indústria cosmética para prevenir a proliferação de microrganismos e garantir a vida longa aos produtos. Eles não são proibidos para nenhuma das técnicas, mas são evitados por algumas pessoas por conta de possíveis alergias.

Co-wash: É a higienização dos fios com condicionador, é uma alternativa de limpeza suave que mantém os fios e o couro cabeludo limpos e mais hidratados. O produto pode ou não ter anfótero. O condicionador irá limpar seu cabelo desde que em sua rotina não use produtos com petrolatos e silicones insolúveis antes da lavagem co-wash. Quem segue o low poo não precisa fazer o co-wash, mas é uma ótima alternativa para utilizar menos shampoos.

E nada melhor que uma lista sempre a mão na hora de comprar os produtos. Com o tempo você vai acostumando com os nomes e nem vai precisar mais consultá-la. Lembrando que eu faço apenas low poo, então não sei muito sobre os componentes proibidos para no poo. E essas listas do post possuem apenas os principais componentes, clique aqui para consultar uma tabela mais completa.
Bom, normalmente os shampoos sem sulfato não fazem espuma, mas se você não utiliza produtos com parafina e petrolatos, eles limparão seus cabelos sem danificá-los.
Por onde começar?
Higienize os pentes, escovas, presilhas, etc. com shampoo com sulfato (mas sem petrolatos), para retirar parafinas, petrolatos e quaisquer outros resíduos de produtos mais antigos.
Antes de começar qualquer rotina (no poo ou low poo) é preciso preparar os fios, removendo os resíduos de derivados do petróleo. Para isso, faça a última lavagem utilizando shampoo com sulfato, (sem petrolatos), lavando o cabelo duas ou três vezes. Após a lavagem, faça uma hidratação (já com produtos liberados), para o cabelo não ficar muito ressecado; enxague e em seguida aplique o condicionador liberado para a técnica. E enxague normalmente.
Agora você já pode começar a técnica com os produtos liberados.
Em caso de uso de produtos proibidos, repetir o procedimento de lavagem com shampoo com sulfato.

O que  foi dito acima é apenas um resumo sobre as técnicas, e não substitui um estudo mais aprofundado sobre elas.

Links para auxiliar:
Manual low poo - Blog Cacheia (ainda tem uma lista de produtos liberados)
Rotina saudável - Grupo destinado a pessoas iniciantes nas técnicas, lá você encontra várias listas com produtos liberados e proibidos.
Lista de shampoos sem sulfato - Blog Cabelos de Rainha
Vídeo sobre como iniciar o low poo - Canal da Mari Morena

Agora, vamos ao assunto do título do post. 

Em abril de 2016 meu cabelo estava super ressecado, sem brilho e a dificuldade em pentear era bem grande. Com isso, fui buscar videos no no youtube sobre hidratação, foi aí que encontrei alguns videos sobre no poo e low poo. Fui olhar nos produtos que eu tinha em casa, e quase todos eram proibidos.
Em maio, fui começando a comprar produtos liberados, conforme os meus iam acabando, e sempre ia pesquisando mais sobre o low poo.
Em junho, iniciei de vez a técnica, com poucos produtos. Basicamente: shampoo de sabonete Dove, yamasterol amarelo, um creme para pentear e uma máscara de hidratação.

A parte boa do low poo: A maioria dos produtos são bem baratinhos, e eu acabo economizando muito mais do que se não tivesse fazendo a técnica.


O que mudou nos meus cabelos: 
Durante o primeiro mês, o meu cabelo não estava tão bonito. Isso porque foi tirada toda aquela "maquiagem" que os petrolatos deixavam. Pensei em desistir muitas vezes, mas lembrava de todo o ressecamento de antes e persistia.
Mas depois de um tempo ele ficou mais macio, brilhante, hidratado, mais sedoso e sem pontas duplas. E não sou apenas eu que vi diferença, muitas pessoas comentam comigo e perguntam o que eu estou usando.. E lá vou eu contar felizmente sobre o low poo. E eu nem hidrato muito meu cabelo mais, normalmente faço uma vez ao mês.
Durante o banho e na hora de pentear, percebi que o meu cabelo parou de cair na quantidade que caia.
Eu tive caspa uns seis meses depois de começar a técnica, usei um shampoo anti-caspa, depois não apareceram mais.
Sobre o crescimento, meus cabelos sempre cresceram de uma forma bem rápida, então não vi nenhuma diferença depois da técnica.
A parte ruim é que como meus cabelos estão mais hidratados eu acabei perdendo um pouco dos cachos e da definição.
A oleosidade ainda continua da mesma forma, por isso preciso lavar os cabelos todos os dias. E por causa de toda essa oleosidade, não faço o co-wash.


Eu acho muito importante a mudança de pensamentos e a questão do minimalismo reduzindo o consumismo daquilo que não tenho necessidade. E nada adianta apenas achar algo legal e não fazer nada a respeito, por isso eu gosto de visitar alguns sites e aprender mais sobre como reaproveitar algumas coisas e reduzir o que eu compro/gasto.
Além disso, também acho importante a questão de pensar mais no meio ambiente (olha a mente de engenheira ambiental aí), consumindo mais produtos naturais e menos industrializados. 
Um exemplo disso, é a técnica no poo, em que consiste em não usar produtos com silicones insolúveis e petrolatos, que além de não fazem bem para o cabelo, fazem mal para o meio ambiente.

Então, listei quatro produtos que parei de consumir e expliquei os motivos a seguir.
1. Produtos multiuso.
Eu comecei parando de usar uma marca específica porque li em algum lugar que esse produto amarela os móveis e eletrodomésticos, e então passei a utilizar vinagre, bicarbonato de sódio e detergente nas limpezas de casa. E quando fui reparar, estava comprando muito menos produtos de limpeza. O vinagre e o bicarbonato de sódio possuem diversas finalidades, principalmente juntos. E para a casa ficar com aquele cheirinho bom? Só utilizar algumas gotas de óleo essencial. 
No canal "A dica do dia" tem um vídeo com 10 dicas com vinagre e outro com 10 dicas com bicarbonato de sódio

2. Margarina.
Meu pai uma vez disse que "margarina é plástico derretido". Na hora, e nem dei muita bola, mas depois fui pesquisar mais sobre o assunto e acabei pensando que até que ele tem razão. Não sei se é no sentido literal, mas, a margarina é produzida do óleo vegetal, através de um processo de hidrogenação; ou seja, é um produto artificial, cheio de gordura e aditivos. Já a manteiga é de origem animal, produzida através do leite. Então, essa se tornou a minha opção na hora de comer aquele pão de sal bem quentinho.
Li no livro "Whole 30" que a manteiga ghee é mais saudável. E a Bela Gil nos ensina a fazê-la em casa. E encontrei um vídeo bem simples explicando a diferença entre a manteiga e a margarina.

3. Extrato de tomate.
Desde que vi o molho de tomate caseiro da Gabriela Kapim, do programa do GNT "Socorro meu filho come mal", aboli os extratos de tomate e faço os meus próprios molhos e deixo prontos no congelador. Além de ficarem muto bons, são mais saudáveis.

4. Refrigerante.
Além do grande teor de açúcar, eles são muito ácidos. No início, foi meio difícil, mas depois consegui não me importar mais com o vício que eu tinha.
O Dr. Drauzio Varella fez um vídeo bem sobre o vício em refrigerante.

Esse post foi inspirado no vídeo da Marieli Mallmann

Se você também se interessa pelo assunto, recomendo o "Um ano sem lixo", um blog criado pela Cristal com o intuito de reduzir o lixo que ela produz, e que é uma grande inspiração.

E você, tem algum produto que parou de consumir?


Vocês já viram aquele programa em que mulheres dos Estados Unidos juntam muitos cupons e fazem compras enormes gastando praticamente nada? Se eu morasse em um lugar que oferecesse tantos cupons, certeza que eu seria como elas. Isso porque eu já perdi as contas da quantidade de amostras grátis que eu já recebi (incluindo um pacotinho de arroz).
Existia um site que postava frequentemente sobre amostras e eu pedia quase todas, hoje ele está em manutenção, mas aguardaremos seu retorno. E como o espírito de "louca dos cupons e amostras" não morreu, vamos listar coisas boas.
1. O site Brindes Grátis tem algumas amostras, brindes e sorteios.

2. O Livra é um site em que você responde pesquisas, ganha pontos e depois pode trocar por prêmios. Já ganhei uma caneca, uma luminária e estou na espera de forminhas de cupcake.

3. O Nicequest é outro site de pesquisas, mas elas são em menor quantidade e com menos pontos, e eu ainda não consegui trocar por nenhum prêmio.

4.  O McDonald's possui um site  e um app com alguns cupons, e você ainda pode utilizar a sua nota fiscal para responder como foi sua visita e ganhar um "pague um, leve dois".

5. O Bob's Fã também possui vários cupons de descontos.

6. Para quem não paga meia entrada no cinema, o posto Ipiranga possui um programa de km de vantagens, em que você acumula pontos e paga mais barato nos ingressos do Cinemais.

7. O The Insiders é um site em que disponibiliza produtos para você testar gratuitamente, dar sua opinião e compartilhar a experiência em relação aos produtos. 

Dizem que dá certo:

Eu ainda não usei essas opções, mas são algumas indicações:

1. No Méliuz você ganha descontos e ainda tem uma porcentagem do seu dinheiro de volta. É assim: você loga no site, encontra a loja do seu interesse, vê o desconto e clica em "Ativar e Ir para a loja" e compra normalmente. E quando receber R$ 20,00, você já pode transferir o dinheiro para a sua conta. Se cadastrando aqui, você já recebe R$ 10,00 na primeira compra, e eu também!

2. Algumas lojas de cosméticos trocam embalagens vazias por produtos de graça. Quem Disse Berenice, O Boticário e MAC são uma delas. 

3. Respondendo um questionário no site do Outback, usando o número da nota fiscal, você ganha uma entrada na compra de um prato principal.

4. Com o cartão do Cinemark Mania você ganha descontos nos ingressos. Pena que não temos Cinemark aqui na minha cidade.

5. No app do Aliexpress tem alguns produtos para você receber, pagando 4 centavos, e depois avaliar. Só que a escolha das pessoas que irão receber os produtos é feito através de sorteio, e diferente da Valquíria, eu ainda não recebi nenhum.

E você possui mais alguma dica para nós que amamos um desconto/amostra/cupom?


As bandejas podem ter muitas utilidades, além de contribuir na organizaçã, também pode ser uma peça de decoração. Pesquisando algumas inspirações, pude encontrar muitas maneiras de usá-las.
Na cozinha:
01 - 02 - 03
No lavabo:
04 - 05 - 06
Organizando maquiagens e perfumes:
07 - 08 - 09 
Outras decorações:
10 - 11 - 12
A vantagem é que podemos encontrar vários modelos e formatos para adaptar conforme o estilo da decoração. E pra quem possui habilidades manuais (diferente de mim), pode fazer a sua personalizada. A Dani, do blog Ricota Não Derrete, nos ensina aqui.

Onde encontrar?
01. Feita de bambu, tem um toque mais tradicional. Tok&Stok
02. Feita de madeira. Tramontina
03. Bandeja de MDF, com várias estampas. Imaginarium
04. Aramada e metalizada. Tok&Stok
05. Bandeja vermelha. Etna
06. Feita com MDF, e possui acabamento laqueado. Oppa


Eu fiz um post com muitos conteúdos para estudos. E algumas pessoas pediram para eu falar sobre a minha rotina de estudos e para dar mais dicas sobre o assunto.
Por trabalhar em período integral, eu não consigo ter uma rotina específica, então, começo estudando o que tenho mais dificuldades.
Mas, utilizo uma técnica que me ajuda muito a memorizar e relembrar aquilo que já foi estudado, que são os mapas mentais (ou ficha de estudos). Eles servem para a revisão do conteúdo de uma maneira mais simplificada.
Você pode fazer a mão (como eu gosto de fazer), ou no computador. No início, toma um pouco do tempo, ainda mais se você gostar de tudo muito bonitinho, como eu. Mas com o tempo, você vai tendo prática e vai perceber que é uma maneira rápida de memorizar o conteúdo.

Cabeçalho: Para deixar os mapas mentais mais organizados.
1. Nome da matéria.
2. Assunto da matéria.
3. Data.
4. Número da folha correspondente ao assunto da matéria.

Alguns exemplos:
Links úteis:
1. A Carol, do site Esquemaria, disponibilizou 150 mapas mentais de diferentes matérias.
2. Vídeo com alguns mapas mentais do Artigo 5º da Constituição Federal.
3. A Bianca fez um post sobre um site para você criar seus mapas mentais online.
4. GoConqr é um outro site para você criar e compartilhar seus mapas mentais.